Sentar-se 7 horas por dia aumenta o risco de diabetes em mulheres

As mulheres que se sentam mais que 7 horas por dia pode desenvolver diabetes do tipo 2, é o que revela uma nova pesquisa.

O estudo descobriu que mulheres que gastam mais tempo sentadas durante a semana, são mais propensas a sofrerem com os primeiros sinais de diabetes, em comparação com mulheres mais ativas.
Os cientistas anunciaram que não encontraram nenhuma evidência de mesma ação nos homens. A pesquisa foi realizada pela Universidade de Leicester. Os responsáveis pela pesquisa declararam que os motivos pelo qual os homens estão “imunes” a isso ainda não é totalmente compreendido.
De acordo com a ONG Diabetes UK, a taxa atual de aumento no número de afetados pelo diabetes do tipo 2 passará de 4 milhões de pessoas em 2025 apenas na Reino Unido.
Mais de 1 milhão de pessoas já estão afetadas pela doença, mas não percebem devido a sutileza dos sintomas, que são os mais variados: fadiga, sede, micção freqüente, aftas recorrentes ou feridas que demora para cicatrizar.
  Os números são alarmantes: estima-se que 24 mil mortes ocorram por ano na Inglaterra, resultado de complicações da diabetes. As mortes poderiam ser facilmente evitadas se os pacientes adotassem uma dieta saudável, tomando corretamente os medicamentos.
Se não for tratada, a diabetes do tipo 2 pode aumentar o risco de ataques cardíacos, cegueira e amputações. Estar acima do peso e não realizar nenhum tipo de atividade física e má alimentação são fatores de risco para a doença.
A equipe de pesquisadores recrutou 550 homens e mulheres em idades superiores a 59 anos. Cada voluntário também foi submetido em testes para medir os níveis de certas substâncias químicas em seu sangue, conhecidos por relacionar o aparecimento de diabetes.
O estudo que foi publicado no American Journal of Preventive Medicine, mostrando que as mulheres que se sentam entre 4 e 7 horas por dia, apresentavam maiores níveis de insulina, o hormônio que regula o açúcar no corpo. Níveis elevados de insulina sugerem que o corpo está se tornando resistente ao hormônio e a diabetes está em seus estágios inicias de desenvolvimento.

As pacientes também tiveram liberação elevada de c-reativa, adinopectina, leptina e interleucina-6, substâncias químicas liberadas pelo tecido gorduroso de nosso corpo, especialmente do abdômen, o que aponta para uma inflamação perigosa.
Curiosamente, os mesmos resultados não foram encontrados nos homens. Cientistas imaginam que o motivo seja relativo. As mulheres podem fazer mais lanches quando estão sedentárias, em comparação aos homens. Apesar da sugestão, os cientistas ainda não possuem dados científicos que expliquem porque os efeitos maléficos de ficar sentado sejam somente para mulheres, excluindo os homens do perigo.