Café da Alemanha reabre após quarentena com chapéus inusitados

Com o relaxamento nas medidas de prevenção à propagação do coronavírus na Europa, diversos países estão adotando novos meios para proteger a população de novas ondas da covid-19, doença que atualmente atinge cerca de 5 milhões de pessoas no mundo todo. Na Alemanha, por exemplo, um café acabou surpreendendo por ofertar a seus clientes chapéus com as famosas boias cilíndricas que lembram espaguetes e canudos. Tudo isso é para garantir que as pessoas se sentem à distância umas das outras.
.
(Cafe & Konditorei Rothen/Reprodução)

Isso tudo só é possível por conta das recomendações do governo federal, que pretende fazer a “volta ao normal” de maneira gradual. Contudo, aos poucos, cafés e restaurantes podem voltar a funcionar mesmo com certas restrições, como servir seus clientes apenas nas áreas abertas dos locais. O Rothen Schwerin, na cidade alemã de Schwerin, anunciou suas novidades de reabertura por meio de sua página oficial no Facebook. A proprietária, Jacqueline Rothe, afirmou que a emissora local de televisão RTL foi quem teve a ideia criativa para atrair a atenção dos clientes.

Reabertura divertida
(Cafe & Konditorei Rothe/Reprodução)


A ação, promovida pela emissora no café de Jacqueline, foi apenas para a reabertura oficial depois de vários dias, em 9 de maio. Os clientes da loja puderam se deliciar novamente com os doces incríveis que por lá são vendidos.

Em entrevista à CNN, a proprietária afirmou que se surpreendeu com a repercussão positiva da confeitaria na mídia do mundo todo. "Foi uma ação perfeita e, é claro, foi engraçada, nossos clientes gostaram muito. Mas o que isso nos mostrou o quão difícil é manter a distância de 1,5 metros", afirmou ela empolgada.

Ainda de acordo com ela, o estabelecimento, que antes tinha cerca de 36 mesas disponíveis — com 20 delas do lado de fora em dias mais quentes —, agora conta com uma demanda de apenas 12, com oito delas do lado de fora. Tudo isso para garantir que as recomendações sanitárias sejam atendidas e que o coronavírus esteja cada vez mais distante da região.

A chanceler alemã Angela Merkel suspendeu a maior parte das restrições no território alemão após afirmar que o país estava fora da primeira fase da pandemia. Vale lembrar que na Alemanha já morreram pouco mais de 8 mil pessoas com a doença.

Fonte: megacurioso

Casa assombrada é castigo para quem furar quarentena na Indonésia

Na Indonésia, um político local precisou tomar medidas drásticas para conter a vontade das pessoas de furar a quarentena por lá. Para isso, Kusdinar Untung Yuni Sukowati, o chefe regente de Sragen, decidiu amedrontar os infratores colocando-os trancados dentro de uma casa que tem a fama de ser mal assombrada na região da ilha de Java, a fim de dar um exemplo para os outros habitantes.

Diversos países do mundo adotaram o isolamento e distanciamento social e físico para evitar a propagação da covid-19, doença causadora do coronavírus. Até que uma vacina ou medicamento eficaz seja encontrado para o controle do problema, a solução temporária vem sendo a consciência e bom senso da população mundial. Mas acontece que muita gente não respeita as restrições e recomendações dos especialistas e prefere ter o descuido de sair nas ruas para não ter sua vida restringida.

(Fonte: Pixabay)


Sendo assim, no país do sudeste asiático, provocar o medo na população pode ser uma arma contra a irresponsabilidade. Kusdinar passou a mandar quem não respeitar o isolamento para a companhia dos fantasmas de algumas casas abandonadas e “mal assombradas” da região. Dessa forma, o político espera conseguir fazer com que as pessoas respeitem a quarentena e parem de oferecer risco na propagação do vírus.

Casas mal-assombradas

A ideia do chefe regente de Sragen surgiu após sua percepção de pessoas que vinham, sobretudo, da capital Jacarta e de outras grandes cidades que tinham restrições maiores com relação ao isolamento até a localidade.

"Caso as pessoas desrespeitem as ordens do isolamento, várias aldeias já pedem minha permissão para colocá-las em quarentena em alguma escola primária abandonada ou em casas isoladas", afirmou Kusdinar. “Eu dei minha permissão. Se necessário, eles devem ser trancados dentro de uma casa mal assombrada. Mas nós ainda iremos monitorá-los e alimentá-los por esse período”, completou.

Na vila Sepat, os funcionários que por lá residem escolheram uma casa abandonada que muitas pessoas acreditam ser assombrada. Essa casa sinistra já foi transformada em uma espécie de centro de reclusão para a quarentena no qual os infratores do isolamento permanecerão. Até agora, três pessoas já foram condenadas a passar pelo menos uma quinzena por lá.


Enquanto isso, na vila de Plupuh, uma casa abandonada semelhante, localizada no meio de um arrozal, foi escolhida para colocar em uma quarentena macabra e forçada aqueles que ousarem sair de suas casas e arriscar a propagar o vírus pela região. Duas pessoas já foram confinadas a residir por algum tempo em meio aos fantasmas que lá habitam.

“Se esses moradores de Plupuh tivessem obedecido a ordem [de ficar em casa], não teriam sido trancados lá”, reforçou Kusdinar.

E para quem acha que essa medida é um tanto quanto bizarra, é bom lembrar que não é a primeira vez em que as autoridades do país do sudeste asiático utilizam do medo aos fantasmas da população para garantir que as regras sejam obedecidas. Recentemente, inclusive, algumas pessoas já se vestiram de uma forma assustadora e ficaram nas ruas de Java para fazer com que os moradores não saiam de casa.

A Indonésia acumula pouco mais de 9 mil casos confirmados da covid-19 em todo o seu território. Por lá já são 765 mortos pela doença.

Fonte: megacurioso

Proteções mais bizarras e duvidosas contra o coronavírus





1 / 10

Militar Proteção
2 / 10

Alien
3 / 10

caixa de sereal
4 / 10

star wars
5 / 10

Filtro
6 / 10

Envelopador por plástico
7 / 10

???
8 / 10

Stormtrooper
9 / 10

Colar protetor
10/ 10

Bambolê


















Crush

Minha cabeça quando alguém fala "meu crush".


Crush é uma marca de refrigerante disponível em vários sabores.

A bebida foi concebida por Clayton J. Powel em 1911, quando fechou uma parceria para a criação da empresa Orange Crush Company.

No Brasil, a Crush foi fabricada nos sabores laranja e uva pelas indústrias Golé e a Pakera, então franqueadas pela multinacional Cadbury Schweppes até o cancelamento da licença e a interrupção da produção.

Em 2011, a Coca-Cola Norsa adquiriu a licença para explorar a marca em refrigerantes no sabor caju (Crush Cajuína) e no sabor guaraná,[1] sendo comercializado nos estados que a Coca-Cola Norsa atua, como o Ceará, Piauí, Bahia e Rio Grande do Norte.[2]

A marca também está presente no seu país de origem, nos Estados Unidos e também no Canadá e em outros países da América Latina, em sabores como: cereja, morango, uva, pêssego e abacaxi.


Fonte: Wikipedia